quarta-feira, 6 de junho de 2012

Livro de Maio 2012 - Cemitério de Praga


via google
Bom dia!

Hoje vou abordar de forma rápida o livro que escolhemos para ler no mês passado, que nos levou a algumas pausas durante o mês, devido a complexidade da história, e variadas discussões no encontro mensal.


Um dos motivos da escolha do livro foi o autor, que nos era referência pela belíssima obra que virou filme, "O Nome da Rosa". Umberto Eco nasceu em Alexandria, na Itália, no dia 5 de janeiro de 1932. Ele também é filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo de renome mundial.

via google

Embora em “Cemitério de Praga” o contexto seja diferente, é inconfundível o estilo de escrever do autor, que mescla vários ingredientes para compor um enredo no cenário parisiente de 1897.

via flickriver

Na trama há um detalhe importante: o único personagem fictício é o personagem principal!! Todos os demais personagens existiram de verdade e fizeram parte da história européia. E quando o autor engloba tudo isso junto, torna qualquer coisa possível.

Lemos um pouco de tudo nessa história! Conhecemos o jovem médico Sigmund Freud, o escritor Ippolito Nievo, judeus que querem dominar o mundo, uma satanista, missas negras, documentos falsos do caso Dreyfus, jesuítas que conspiram contra maçons, Garibaldi e a formação dos Protocolos dos Sábios de Sião, fonte de inspiração de Hitler na criação dos campos de concentração. Sem falar também na ênfase dada pelo escritor para a gastronomia francesa e o papel da mulher no século XIX.

Exemplar de um jornal da época: La Mode Nationale

Na minha opinião é um livro de nível complexo, que retrata de maneira fiel o pensamento europeu no final do século XIX. Confesso que a sucessão de fatos ocorridos e a mistura de confrontos, preconceitos e conspirações me deixaram como leitora, um pouco confusa e atordoada. Por outro lado, o autor utiliza as imagens dos folhetins da época para ilustrar o livro, e em meio de tantas informações é possível observar uma obra historicamente muito bem elaborada! 

Exemplar de um jornal da época: Le Petit Journal 

Através da mostra desses folhetins, ele expõe uma série de menções advindas dos personagens, que se não nos dão o total esclarecimento, ao menos um bom apanhado de noção sobre acontecimentos históricos como fraudes, sociedades secretas, dossiês e documentos falsificados. Vale a pena ler !



4 comentários:

Stella disse...

Oi Ale,

Concordo contigo! Este realmente é um livro complexo e cheio de emaranhados históricos mas que vale a leitura!

beijinhos

Stella

Márcia Pierina disse...

Já estava pensando em ler, agora com a sua sinopse e impressões...preciso iniciar já essa leitura. Obrigada pela grande contribuição e por nos instigar ao caminho da leitura.

bjks

Paty Molina disse...

DElícia de post Ale! Eco é o grande mestre dos enredos históricos!
bjkas da Paty

Sandra Guadagnin disse...

Ale, adoraria ler mais. Estou com o SEIS PASSEIO PELO BOSQUE DA FICÇÃO há tempos em minha cabeceira. Mas não consigo em concentrar. Mas vai continuar lá, até que venha a calmaria (férias dos filhos).
Abração e agradeço a visita.
*Você escreve muito bem.